"HOT WATER MUSIC"
02/12/2017 - Carioca Club - São Paulo - SP

Por Nicollas Loos
(publicada em 4, dez, 2017 | 23h19)

Suor, lágrimas e euforia, uma noite única.

Anunciado nos primeiros meses do ano, o show do grupo norte americano Hot Water Music causou comoção e euforia no público não apenas brasileiro, mas latino americano, pois a data agendada seria a única apresentação do grupo na América do Sul inteira! Lembrando que algum tempo depois foi anunciado um show acústico do vocalista Chuck Ragan no Hangar 110 no dia seguinte... é muita emoção!

A noite ainda contaria com a participação da banda Racquet Club, um super quarteto formado por ex-membros de bandas da fase de ouro do emo/alternativo americano durante os anos 90 e que já vinham realizando a abertura do Hot Water Music a um bom tempo. Nem é preciso dizer que a casa estaria cheia né? Porém, as expectativas aparentemente foram superadas e tivemos um show absolutamente abarrotado de fãs, sendo um dos sold outs mais lindos do ano.

Vale o meu testemunho: levei praticamente meia hora para sair da área de fotógrafos em frente ao palco até o banheiro, localizado nos fundos da pista, tamanha massa de gente que estava tão hipnotizada com o espetáculo que se apresentava sobre o palco.

Bem, mas voltando ao começo, o Racquet Club entrou no palco por volta das 18:00 com a casa ainda relativamente vazia, mas após os primeiros acordes, parece que os amplificadores funcionaram como verdadeiros imãs que num passe de mágica, atraíram o público de forma espantosamente rápida para a frente do palco e que se acotovelavam para conseguir presenciar o show.

Comparado ao headliner da noite, o show do grupo poderia ser considerado morno por muitos, mas levando em consideração o histórico dos músicos e entendendo a proposta, aos poucos a ficha foi caindo para muita gente ao perceberem que estavam diante de grandes nomes do rock alternativo, como por exemplo o vocalista e guitarrista Blair Shehan, ex-membro do Knapsack.

Por volta das 19h30 e com o Carioca Club realmente lotado, as cortinas se abriram para o tão aguardado Hot Water Music. Ragan e sua trupe literalmente tomaram o palco de assalto e foram surpreendendo os fãs ao longo de seu set de quase 20 músicas.

Vale lembrar o porquê de tanta expectativa perante a apresentação do grupo: em meados de 2013, um festival havia anunciado a vinda inédita do Hot Water Music, juntamente com outras bandas do mesmo estilo, mas tudo não passava de uma cilada, quando na verdade, inesperadamente o espetáculo foi cancelado e os fãs ficaram apenas na emoção... Então a noite de sábado foi uma verdadeira redenção para os fãs brasileiros que finalmente puderam ver a força do quarteto ao vivo.

E pode ter certeza que eles vieram para brincadeira, com palhetadas nervosas e urros que eram acompanhados com grandes coros, transformaram uma mera noite de Dezembro em uma verdadeira experiência espiritual! Com direito a moshs, pessoas sendo carregadas sobre cabeças e muito empurra empurra, cada lágrima e gota de suor que caíam, parecem ter valido a pena.

Começando com “Remedy”, passando por “Rooftops”, “Sympathizer”, “Mainline”, “Complicated” e “Turnstile”, as primeiras 14 músicas foram reservadas para a pura fúria elétrica que explodiam pelos amplificadores, já as últimas seguidas, foram um aperitivo acústico do que seria servido no dia seguinte no show solo de Chuck Ragan, como por exemplo, “Drag My Body”.

Ao final, havia uma clara sensação que os fãs esperavam outros clássicos e que por mais que o show não pudesse durar toda a discografia, aquela uma hora e meia não foram o suficiente para alimentar o espírito do público e que seriam preciso no mínimo três horas de show para que todos se sentissem realizados.

Showzão histórico e que com certeza fez vale cada minuto de espera!